Meu humor



Meu perfil
BRASIL, Homem, de 46 a 55 anos, Latin, Tsonga, Bebidas e vinhos, Viagens, ver o mar
Outro - saci.bola@yahoo.com.br




Arquivos
 28/11/2010 a 04/12/2010
 21/11/2010 a 27/11/2010
 21/02/2010 a 27/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 17/01/2010 a 23/01/2010
 27/09/2009 a 03/10/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 12/04/2009 a 18/04/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 08/02/2009 a 14/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 22/07/2007 a 28/07/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 17/06/2007 a 23/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 29/04/2007 a 05/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 15/04/2007 a 21/04/2007
 08/04/2007 a 14/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 30/07/2006 a 05/08/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 colecionador de pedras
 estuário
 fratura exposta
 caótico




Da Arquibancada
 


 

                        Tiros na Colombina

houve um dia

um risco em trilha

ninguém queria

as encostas frias


aos sempre excluídos

a reta em círculos

fosso de indícios

o alívio em vícios

 

é carência insistente

categoria indecente

se arrasta a serpente

sem nome: indigente

 

de cima do alto

enxotados do asfalto

a grita em contralto

e oferecem o assalto

 

no morro o ataque

cidadania mais tarde

discurso em alarde

!raiou a liberdade

 

no tanque da canalha

?na metralhadora se trabalha

?se tem roupa na mortalha

?vira gente a gentalha

 

?quando a escola abriu

?quando pro emprego partiu

?quando a saúde não feriu

?quando o salário supriu

 

só dá pra acreditar

que um e um são par

quando o tanque entrar

na sala com carpete e ar

 

será que vai o estrondo

e bala pra cima do bando

que tá sempre armando

?e usa colarinho branco

 

é bom ou é vil

justiça com fuzil

o alvo esvaiu

volte donde partiu

 

do alto da arquibancada

o saci vê tudo e nada

pergunta pra cuca danada:

?quando é a próxima emboscada

 

(texto apresentado na noite de 1º de dezembro no sarau da cooperifa uh!)

 

 



Escrito por Saci-bola às 21h03
[] [envie esta mensagem
]





                         Coincidências?

Há dias, ou noites, em que ocorrem situações, imagens quase idênticas em um curto espaço de tempo. É como se nos perseguisse, naquelas poucas horas, uma mesma sombra, embora com os ponteiros do relógio completamente diferentes.

Segunda-feira, 29 de novembro, 10h05 da manhã. Um belo e aconchegante sol abre o dia. É. Abre para quem, como eu, acorda pelas sete, sete e qualquer coisa da manhã. Sei, muito bem, que muita gente, como se diz no Interior, acorda com as galinhas. Ainda escuro, mesmo com o horário de verão, como aqui no Sudeste.

Ponto final da linha 5630-10 (que vai ao Terminal Grajaú, no extremo Sul da cidade), da Viação Cidade Dutra, junto à estação Metrô Brás. 

O motorista do ônibus placas ECT-1062, desce do coletivo falando ao celular. Uma senhora, idosa, acompanhada por uma amiga, pergunta ao “profissional” se ela pode entrar pela porta de trás para fazer a viagem com a amiga nos bancos depois da catraca. Na cidade de São Paulo, a entrada é feita pela porta da frente.

O condutor mal ouve o que a idosa diz. Abana a mão direita para o alto, assim como a gente faz com quem temos uma ira absurda, como a dizer “entra aí e não enche!”. As duas senhoras entram pela porta da frente e ocupam os bancos antes da catraca, ao contrário do desejo expressado pela passageira.

Às 10h13, o ônibus sai. O motorista, aparentemente tão hábil quanto um acrobata do Teatro Mágico, continua falando ao celular e com o coletivo em movimento. Ele também não usa o cinto de segurança. Somente dois pontos à frente o coloca.

Seis minutos mais tarde, dois quilômetros percorridos, aproximadamente, na região do Parque D. Pedro II, no Centro da Cidade, eu reclamo ao cobrador de o motorista estar dirigindo e falando ao telefone. O cobrador olha para mim, abaixa e cabeça, dá um leve sorriso e nada diz. Aliás, disse sim, internamente: “quem deve ser esse maluco que reclama de uma bobagem dessa, enquanto que no Rio de Janeiro está havendo uma guerra?”

Junto da catraca, falo alto ao motorista: “ei, motorista! O senhor não pode dirigir e falar ao celular ao mesmo tempo!” Ele pára a ligação e fala algo inaudível, faz uma careta.

Mais parecendo uma perseguição, na mesma manhã, às 11h50, tomo um outro ônibus, mas da mesma linha, da mesma empresa, carro número 61984, na avenida 23 de Maio, que ia no sentido do Brás.

Um senhor, antes de descer em um dos pontos seguintes, reclama do cobrador e do motorista, algum procedimento que julgou inadequado a um passageiro ou sobre o funcionamento de algum equipamento do coletivo. Não foi possível ouvir, os ônibus não são o melhor exemplo de conforto sonoro.

Aliás, conforto não passa de uma palavra. Seja no Cafundó ou no Centro. Por certo, muitos poderão dizer que a “culpa” é do motorista, talvez até do cobrador.

Certo é que, por mais certo, cabe a pergunta: “quem ganha dinheiro com o transporte público? Será que ele tem o mesmo cuidado de contar a féria do dia com o treinamento, conscientização e boas condições de trabalho aos seus empregados – que, nos últimos tempos, são chamados de colaboradores?

(Este texto, além de publicado aqui no daarquibancada, está sendo remetido à empresa, ao setor responsável pelo transporte público municipal de São Paulo e a quem mais o Saci-passageiro julgar importante)



Escrito por Saci-bola às 10h39
[] [envie esta mensagem
]





Qualé

Aê!

Olá

Evoé!

Saravá!

 

Pedem compreensão

bondade e honestidade

e devolvem repressão!

 

Falam de oportunidade

e na hora da divisão

sobra só uma saudade!


Aê!

Olá!

Evoé!

Saravá!


Querem compostura

cara de sorridente

devolvem só usura


Te fazem de importante

sempre na captura

de suor e sangue quente


Aê!

Olá!

Evoé!

Saravá!


A promessa é paraíso

mas com muito empenho

te enganam com sorriso


Aê!

Olá!

Evoé!

Saravá!

 



Escrito por Saci-bola às 09h57
[] [envie esta mensagem
]





 

                                         PARA O ZÉ

 

É, JOSÉ. MEU CARNAVAL TERÁ DE SER MAIS ALEGRE DO QUE OS ANTERIORES.

 

AFINAL, EU, E MUITA GENTE, VAMOS CANTAR E DANÇAR COM MUITO MAIS DISPOSIÇÃO.

 

EU, E MUITA GENTE, VAMOS NOS FANTASIAR – OU SERIA NOS TORNAR MAIS VERDADEIROS – E NOS PINTAR MUITO MAIS.

 

OS CAMINHOS DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA, SÃO PAULO ONDE FOR, ASSIM COMO A GENTE, DESDE O DOMINGO, ESTÃO SAUDADES DE VOCÊ.

 

SEU CHAPÉU, SEUS ÓCULOS ESCUROS, SEUS BLOCOS PREFERIDOS E AS CONVERSAS SOBRE A INTIMIDADE PÚBLICA DOS FOLIÕES E FOLIÃS CONTINUARÃO AINDA MAIS ANIMADOS.

 

POR CERTO, EM MEIO ÀS LADEIRAS QUE NOS CARREGAM SEMPRE, TANTO PARA CIMA, QUANTO PARA BAIXO, AS VÁRIAS ENTIDADES QUE NOS ACOMPANHAM TÊM, AGORA, A SUA COMPANHIA.

 

MUITO ALÉM DAS DIVERTIDAS, ÀS VEZES PROVOCADORAS DISCUSSÕES SOBRE A IRREALIDADE DA REALIDADE E A MORBIDEZ DA VIDA, CONTINUAM CONOSCO SUA PERSPICÁCIA, GENTILEZA E RESPEITO.

 

É, ZÉ... SOBRE OS TELHADOS DA NOSSA CIDADE, QUE UM DIA FICARAM COBERTOS DE ÁGUA E LAMA, AGORA PAIRA UM AR DENSO, PESADO, DESSES DIFÍCEIS DE INSPIRAR.

 

MAS AGORA É QUE SABEMOS O QUANTO TEMOS DE SER INSPIRADOS PRA NOS TORNARMOS ALGO UM POUCO MELHOR.

 

MAS FIQUE SABENDO QUE, DESDE QUANDO VOCÊ PARTIU, OS VERSOS DE QUE

“TEM QUE GRITAR, TEM QUE MOSTRAR, TEM QUE CANTAR”

GANHARAM MIAS UM NOVO SIGNIFICADO.

 

ESTAMOS AÍ, CAMARADA.

 

EVOÉ.

 

E LÁ DO ALTO DA ARQUIBANCADA, O SACI-NADA APROVEITA PARA BRINDAR COM UÍSQUE E GELO, E UM BOM CIGARRINHO, QUALQUER COISA QUE NÃO SEJA A TRISTEZA.

 



Escrito por Saci-bola às 12h08
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]